Infusões com História – Entrevista com Miguel Moreira

Infuses-com-histria_2
Infuses-com-histria_subtil
Infuses-com-histria_3
Infuses-com-histria_1
previous arrow
next arrow

Dois amigos de longo tempo empreendedores, pantagruélicos e entusiastas por desportos de natureza decidiram olhar de outra maneira para a flora que os rodeava, em cada caminhada pelas montanhas, e criaram a marca Infusões com História. Em entrevista à F Luxury, Miguel Moreira, desvenda toda a narrativa onde para lá da criação de uma bebida aconchegante está um trabalho de expansão da marca, para chegar aos grandes chefs e também se apresentar na carta de bebidas que acompanham qualquer variedade gastronómica. Desta singular iniciativa foi já estabelecida uma parceria com Francisco Moreira, chef de pastelaria, atualmente a trabalhar na Bélgica na Chocolate Academy Benelux.

Olharam para as plantas que cresciam nas montanhas e acreditaram que podiam ter um modelo de negócio original?

É verdade a Infusões com História foi o concretizar de um sonho meu e do meu sócio Valdemar Sousa, ambos aficionados por desportos de natureza e gastronomia, a marca acaba por englobar estas duas vertentes. Depois de muitas caminhadas percebemos que o Norte de Portugal é rico em plantas icónicas autóctones e endémicas muito interessantes. E ao fazermos a experiência de as colhermos e secar percebemos que o aroma e sabores eram únicos, para converter esta descoberta num modelo de negócio contactámos a Professora Doutora Ana Maria Carvalho, do Centro de Investigação de Montanha do Instituto Politécnico de Bragança, para nós a maior especialista em plantas aromáticas e medicinais em Portugal.

E nasceu uma marca que produz infusões biológicas de regiões demarcadas.

Sabíamos que queríamos trabalhar um produto autóctone e por territórios, isto é, na região Entre-Douro-e-Minho há um conjunto de plantas típicas e são diferentes das que existem no Douro ou no Dão. Mas foi a Rota do Românico, na região do Tâmega e Sousa, que nos inspirou para o logotipo, lettering e package e foi aí que começámos as nossas infusões com plantas típicas deste território. As plantas da Infusões com História são de colheita manual e de secagem tradicional, colocadas em tabuleiros, num armazém sem incidência de luz solar porque esta é fatal para a pigmentação e qualidade de secagem e são as pessoas locais que fazem a apanha.

Mas o vosso propósito não era só criar infusões.

Havia e há um outro segmento de mercado muito interessante, os chefs de cozinha e os sommeliers, e para isso a nossa primeira abordagem foi ao chef de pastelaria Francisco Moreira que gostou muito da ideia e propôs-se a trabalharmos em conjunto. Sabemos que podemos entrar neste nicho com infusões diferentes para harmonizações, quer com pastelaria ou cozinha salgada quer com os menus de degustação. As nossas infusões podem servir para marinadas húmidas ou secas e também acompanhar como bebida não alcoólica, menus de degustação, e aqui não há oferta que concorra com águas e refrigerantes.

Quantas infusões têm neste momento?

Temos nove misturas num total de duas dezenas de plantas, misturadas a três ou quatro espécies, que permite fazer um menu degustação até dez pratos, com infusões a temperaturas e copos distintos. O propósito da Infusões com História é disponibilizar para o mercado nacional e internacional uma proposta de harmonizações com infusões onde não há taína, açúcares, aromas ou corantes, só há plantas. A forma como estão misturadas permite obter sabores mentolados, cítricos, anizados e são mais ou menos adstringentes. Temos um portefólio de aromas, sabores e também uma palete de cores que nos permite ir muito além daquilo que se espera de uma infusão.

O ter de ser preparada na hora não traz inconveniente?

É muito prático, porém o nível de exigência num restaurante Michelin ou fine dining é maior, aqui há todo um ritual desde a temperatura da água, o verter as plantas que se faz com colher ou pinça, é muito bonito e dá mais elegância à refeição. Na compra juntamos às infusões todos os acessórios necessários para que o sabor final da infusão seja perfeito e enalteça ainda mais o sabor dos pratos do menu.

Também é importante perguntar ao chef de pastelaria Francisco Moreira o que é que já criou com as infusões e o que pensa desta nova maneira de olhar para este preparado de plantas.

O momento do chá ou infusões liga muito bem com a pastelaria e a marca Infusões com História oferece uma imensa variedade e qualidade. O projeto que estamos a desenvolver em conjunto é levar as pessoas a conhecer este produto, por si, e também revelar que podemos trabalhar em cozinha com estes sabores.

Francisco pode dar um exemplo?

Sim, claro, usando uma infusão floral pode servir como aromático, isto é, tendo em conta que é floral posso acompanhar com uma madalena de citrinos ou um financier (pequeno bolo francês de mel) porque são sabores que encaixam na perfeição e que se complementam e não se cobrem um ao outro. A madalena leva leite na receita base, neste caso posso construir uma infusão no leite no final teremos enaltecido o aroma da infusão. Quando uso infusões obrigo-me a trabalhar com o produto o mais puro possível, o que pretendo é ter a flor ou a folha em estado puro, sem outros aditivos.

Utilizar infusões nas suas receitas é um objetivo?

A ideia aqui é também mostrar esse potencial da Infusões com História, já que este preparado funciona muito bem na pastelaria, até porque, tal como a baunilha, pode ser infusionado nas receitas. A pastelaria tal como a gastronomia no geral vai um pouco atrás daquilo que as pessoas procuram e das tendências do momento e aqui estamos a falar de um produto biológico que respeita a natureza. Quando abri as latas da Infusões com História eu vi as folhas, eu vi o produto, não é algo escondido em saquetas.

O que podemos esperar da sua colaboração com a Infusões com História?

Estamos em várias vertentes sendo a mais importante tudo o que é comunicação de ambos os lados. Vamos começar por dar sugestões de receitas da minha autoria com infusões e vamos partilhar com clientes e outras pessoas. No final do ano teremos um pacote mais completo onde vamos incluir num cofret as infusões e um pequeno livro de receitas, algo que as pessoas podem fazer em casa para proporcionar um momento de chá harmonioso.

/ Artigos Relacionados

Artigos Relacionados

Graça Morais – “A pintura é a minha vida”

A menina Graça Morais, que nasceu numa agreste aldeia transmontana, é hoje uma consagrada pintora reconhecida no mundo. Nas suas telas vemos vidas duras e quase sempre mulheres rurais, mães corajosas, anónimas e cheias de força.