Colaborações no mundo da moda reanimam segmento de luxo

A noite de 26 de setembro veio lembrar-nos de um conjunto de inusitadas e sucessivas colaborações que têm vindo a acontecer no setor da moda de luxo. Depois de duas temporadas de moda solitárias e limitadas, algo de novo surpreendeu tudo e todos: Kim Jones e Silvia Venturini Fendi, da Fendi, e Donatella Versace, da Versace, trocaram de casas para projetar 25 visuais. A união de duas dinastias italianas. Não é novidade que o setor de luxo tem vindo a explorar novas formas de colaboração para se adaptar às expectativas de evolução do mercado e o resultado acaba por influenciar e potencializar a forma como o setor dialoga com novos públicos.

Fendi X Skims - Kim Kardashian
Dior x Paris Saint Germain (PSG)
Gucci x Balenciaga
Louis Vuitton x NBA
Rimowa x Chaos
Versace x Fendi
previous arrow
next arrow
 

Ao combinar visões diferentes, as colaborações entre marcas procuram oferecer novas perspetivas aos seus seguidores, chegar a novos públicos e evocar um sentido de curiosidade e incerteza sobre o que está por vir. Desde as parcerias de streetwear de luxo (quem não se lembra de Louis Vuitton X Supreme ou de Gucci x The North Face?) a outras, são várias as colaborações com alto impacto neste mercado de nicho que têm vindo a acontecer e que nos fazem refletir sobre como a indústria tem apostado na aparente dificuldade de mesclar ADN’s de casas e heranças diferentes. Neste contexto, apresentamos algumas das colaborações de moda mais interessantes a que pudemos assistir recentemente – e não será de estranhar se, enquanto estiver a ler este artigo, novas parcerias inusitadas surjam pelo caminho…

Versace & Fendi

Foi uma noite de moda fabulosa, especialmente por ser conhecido o facto de Donatella nunca ter desenhado para outra marca, nem Silvia. O que acontece quando Donatella Versace e Kim Jones trocam de papéis?  E eis que a colaboração entre Versace e Fendi aconteceu: Donatella criou uma coleção da Fendi, e Kim Jones assinou uma para a Versace – ambas fazem parte da linha pre-fall 2022 e estarão disponíveis já em maio próximo. O apreço entre ambos os designers de moda é mútuo. “Sempre admirei Donatella e a Versace faz parte da cultura em que cresci.
É um fenómeno cultural”, diz Jones. Por seu turno, Donatella afirma que “ele sabe o que é luxo, sabe como torná-lo jovem e acessível ao público mais novo”, acrescentando também que Karl Lagerfeld, que ficou anos à frente da Fendi, era amigo chegado do seu irmão Gianni. Assim, o vestuário da Versace by Fendi apresentava todas as assinaturas da marca, como os alfinetes, os ousados padrões barrocos em vestidos curtos e em tops, além de acessórios com a insígnia “Fendace” e o logótipo de duplo F da Fendi. Já Donatella injetou uma dose sexy à Fendi, com vestidos de comprimento reduzido e muito brilho em prateado e rosa. Carteiras icónicas, como a Peekabo e a Baguette, por sua vez, ganharam uma versão à la Versace. Kim Jones explica como o “Fendace” foi formulado pela primeira vez.
“Em fevereiro, após o desfile de pronto-a-vestir, viemos jantar com a Donatella. Silvia e Donatella deram-se muito bem e achámos que seria bom divertir-nos um pouco. Foi um design-off: nós projetámos Versace e ela projetou Fendi. De lembrar que estas duas casas nem sequer estão no mesmo grupo: apenas fizemos isso como amigos e por respeito mútuo. Nunca foi planeado como algo comercial.”

Versace by Fendi e Fendi by Versace, duas novas coleções que vêm celebrar o impacto cultural de duas casas de luxo italianas.

Gucci + Balenciaga

Na presente estação – outono/inverno 2021 -, aconteceu o crossover da Gucci com a Balenciaga, que veio celebrar o 100º aniversário da casa italiana com silhuetas e acessórios únicos. Com influências subtis do icónico designer da Gucci no passado – Tom Ford -, a colaboração Gucci e Balenciaga resultou em blazers elegantes e estruturados em forma de ampulheta, ombreiras exageradas e o mix de calça com botas, com influências equestres da Gucci a criarem uma mistura surpreendentemente deslumbrante. Porém, tal como aconteceu com as casas italianas aqui referidas, Gucci + Balenciaga não se trata tanto de uma colaboração, mas sim de uma “brincadeira” de Alessandro Michele, admirador do trabalho de Demna Gvasalia que resolveu “usurpar” alguns dos códigos que o estilista da Geórgia tem vindo a imprimir à marca fundada em Espanha.
E, no âmbito deste artigo, convém lembrar que ambas as marcas pertencem ao grupo Kering e pontuaram como primeiro (Gucci) e segundo (Balenciaga) lugar no ranking do último trimestre de 2020 das marcas mais desejadas do mundo da moda, denotando que esta parceira pode não ser assim tão “ingénua” como Michele quer fazer parecer. Intitulada Aria, esta associação define uma nova era na indústria, já que estas duas grandes etiquetas de luxo nunca interagiram no passado. Alessandro Michele criou peças que misturam elementos das duas marcas. Nos acessórios, destaque para versões da carteira Hourglass, da Balenciaga, com referências das duas etiquetas. Mais um encontro híbrido que certamente permanecerá no imaginário dos admiradores das duas marcas.

Rimowa x Chaos

A Rimowa estreou uma coleção em parceria com a Chaos, de Londres, toda uma linha de edição limitada de malas e acessórios de viagem. Tal colaboração nasce do terreno comum de sensibilidade e funcionalidade partilhada por ambas as marcas. As malas foram projetadas com um design arrojado que lembra tinta a pingar e estão disponíveis em duas opções de cores complementares: amarelo açafrão e branco, assim como verde cato e preto. A coleção também compreende etiquetas de bagagem em couro e colecionáveis, dado que foram estampadas com nomes de cidades e adotam, individualmente, diferentes estilos que fazem referência a cada destino. Para Charlotte Stockdale e Katie Lyall, uma colaboração com a Rimowa encaixa-se não apenas no ADN da marca, mas no seu próprio. Antes de lançar a sua linha de acessórios de culto, em 2016, a dupla criativa era procurada por estilistas de moda o que frequentemente os faziam viajar pelo mundo. Como resultado, eles compreenderam bem o que a Rimowa adora quando se trata de viajar com bagagem de mão em comboios, aviões, barcos e carros.

Curiosamente, na última década, a Rimowa deve a marca que mais trabalhou em termos de colaborações entre grandes artistas e marcas de moda internacionais, tendo-se associado a Fendi, Moncler, Supreme, Porsche, Dior e Off-White. A marca, porém, é mais antiga do que qualquer outra com a qual já tenha colaborado, tendo nascido em 1898, em Colónia, fundada por Paul Morszeck e Heinrich Gotz. Trinta anos depois, o filho de Paul, Richard mudou o nome da empresa, até então designada Gortz & Morszeck, para a atual Rimowa, que é a sigla para Richard Morszeck Warenzeichen.

Dior x PSG

Logo a seguir à entrada de Lionel Messi na equipa do PSG (Paris Saint-Germain), o clube de futebol é de novo notícia fruto da sua mais recente colaboração com a Dior. A Maison de luxo junta-se ao clube de futebol francês para criar o seu equipamento oficial. Idealizado por Kim Jones, diretor artístico das coleções masculinas da Dior, o novo e elegante uniforme consiste em tons de preto e azul marinho, e variam do casual ao formal.
Para lazer, há um casaco Harrington, pullover de tricô e camisa pólo, cada um com um patch bordado “Paris Saint-Germain” e as icónicas iniciais ” CD”. Os derbies Dior Explorer em couro preto com o motivo Dior Oblique têm palmilhas gravadas com o número da camisa do jogador.
No lado mais formal, estão um casaco, blusão, camisa e calças de caxemira. Os sapatos são os derbies Dior Timeless, igualmente com interiores em relevo. Os acessórios incluem uma carteira Saddle em couro granulado preto, gravata jacquard com o logótipo PSG, lenço de caxemira e cinto reversível. Kim Jones projetou looks para serem usados pelo PSG nas próximas duas temporadas. Por seu turno, o Paris Saint-Germain está entre as melhores equipas de futebol do mundo: ganhou 27 troféus em 10 anos – e 43 desde a sua criação, em 1970 – atraindo estrelas como Ronaldinho, David Beckham, Zlatan Ibrahimovic e, mais recentemente, Lionel Messi, Neymar Jr. e Kylian Mbappé. Atualmente, o Paris Saint-Germain acumula mais de 140 milhões de fãs nas redes sociais e tem escritórios em Doha, Qatar, Xangai, China e Singapura.
“A decisão de colaborar com o PSG para o guarda-roupa oficial da equipa surgiu com bastante naturalidade. Partilhamos valores que consideramos fundamentais, como a busca pela excelência, a superação de si mesmo, a atuação coletiva e o poder de reinvenção perpétua”, defendeu Pietro Beccari, presidente e diretor executivo da Christian Dior Couture.

LV x NBA

A Louis Vuitton também se associou a uma atividade desportiva. A mais recente colaboração LV x NBA (National Basketball Association) é uma expansão da parceria em curso entre a casa de luxo e a liga profissional americana de basquetebol. Inspirada nos três modos de vestir dos jogadores da modalidade – viagens, jogo e conferência de imprensa – a coleção funde os registos da Louis Vuitton com os básicos da NBA, resultando em peças de roupas casual, informais e formais, respetivamente.
Assim, para viagens, surge uma abordagem descontraída de smartwear com um blusão, calças acolchoadas com o padrão do motivo floral LV, uma combinação de sweatshirt e calções saturados com a marca LV, e uma parka técnica perfeitamente combinada com calças de alta performance. Para o modo de jogo, letras multicoloridas “Louis Vuitton” cobrem blusões, camisas e calções informais – cada fonte fazendo referência a um tipo de equipa da NBA. Para o modo de entrevista coletiva, o traje formal interpreta uma sensibilidade dos anos noventa num fato preto e sobretudo. E por se tratar da Louis Vuitton, os acessórios não foram deixados para trás: desde carteiras a variações inspiradas no vintage, não há como não se deixar de se sentir como um vencedor e algum troféu.

Fendi X Skims

Depois de a Fendi se ter associado à Versace na semana da moda de Milão, a marca italiana une agora esforços com Kim Kardashian e a sua Skims. A coleção Fendi X Skims foi revelada e traz à luz do dia lingerie, shapewear, outwear e fatos de banho.

Refletindo o minimalismo atlético e monocromático já conhecido da marca de Kim Kardashian, esta colaboração, de edição limitada, contempla peças estampadas com os logótipos de ambas as insígnias apresentadas em cores sólidas, como o preto, verde militar e fúcsia.
“A missão da Skims em criar soluções para todas as mulheres reflete-se diretamente na missão da Fendi. A minha Fendi é sobre criar algo para cada mulher, para cada sua forma diferente – e isso é algo que também reside no coração do Skims”, afirma Kim Jones. De notar, curiosamente, que Jones detém atualmente o controlo criativo de duas das principais marcas globais de luxo – Fendi e Dior, ambas dentro do conglomerado LVMH. Esta coleção cápsula, que unifica os códigos estéticos do ADN de cada marca para criar um guarda-roupa pensado para a mulher atual, foi inspirada nos esboços de uma coleção da Fendi desenhada por Karl Lagerfeld em 1979.
A coleção do final dos anos 70 apresentava tops tubulares torcidos, faixas justas, tons brilhantes e cores pop, todos focados na forma feminina. E Fendi X Skims resulta numa interpretação moderna, combinando a atenção meticulosa da Skims ao ajuste e à forma, com o apelo estilístico da Fendi. As formas e silhuetas que se ajustam ao corpo são criadas e projetadas para oferecer suporte, enquanto os vestidos “colados” baseiam-se numa estética de estatuária romana. Quanto aos acessórios, há espaço para Baguette Fendi de cores vivas e de vários tamanhos. Rosa ousado e tons de coral acompanham as versões deste ícone. A coleção também conta com a celebrada Peekaboo e a nova Fendi First.

Por João Libério

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin

/ Artigos Relacionados

Artigos Relacionados

/ Artigos Recentes

Artigos Recentes

Sixième Sens par Cartier

Sixième Sens par Cartier mostra aquele toque extra e exclusivo da alta joalharia, uma expressão