Drª Eveline Godinho, “Sou movida por desafios”

Cirurgiã Dentista, especialista em pele e beleza através de tratamentos anti-aging e co-fundadora da linha de skincare Evecure, que será lançada em breve no mercado europeu, nutre, desde sempre, um encanto pela beleza e harmonia facial e durante os mais de três mil atendimentos em todo mundo percebeu que os seus pacientes procuravam curar uma dor mais profunda que não só a que a falta da estética provocava.

Muitas das suas pacientes sofriam por não se admirarem e tal era para elas fator de fragilização. “Elas não procuravam ficar belas apenas, elas queriam se amar”. A partir dessa perceção, Eveline moldou os seus atendimentos clínicos de acordo com a necessidade de cada paciente, entregando a cada uma muito mais que estética, devolvendo-lhes a auto-estima.

Por que decidiu estudar odontologia?

Acredito que a melhor resposta será “porque sempre cuidei de gente.” Perdi a minha mãe, o esteio da família, muito cedo e, a partir daí, tive de cuidar da minha imã, com quatro anos, e do meu pai, com 54 anos, que se entregou a uma tristeza profunda e já não queria levantar-se da cama. Não havia alternativa a não ser cuidar deles da melhor forma possível, pois de um lado eu precisava cuidar e formar uma criança e do outro tratar e elevar a auto-estima de um adulto. Acredito que essa condição gerou em mim o amor e o carinho pelo ser humano. A odontologia foi uma ferramenta, um veículo de entrega de todo esse amor ao próximo.

Quais são, no seu entender, as questões que a maioria dos portugueses enfrentam em termos de saúde da boca? O que é necessário mudar para termos sorrisos mais saudáveis?

A perda precoce dos dentes. Cada vez mais vejo pacientes que recorrem a próteses por não terem mais os seus dentes. A cultura de prevenir a doença deveria vir de casa e ser incentivada ao longo da vida, mas o que mais vejo aqui em Portugal, assim como em muitos outros países, é a remediação, ou seja, tratar quando a doença ou a perda dos dentes se instalou.  Incentivar o tratamento preventivo, entenda-se, preventivo nada tem haver com precoce, é a forma mais adequada de garantir sua saúde Acredito que com o volume de informações que temos hoje em dia, e com a formação de novos médicos dentistas, mais atualizados e culturalmente mais avançados, esse cuidado virá a ser incentivado.

O conceito da clínica Drª Eveline Godinho assenta no aumento da autoestima com impacto na saúde de corpo e mente, ali se procurando construir um mundo melhor através de pessoas felizes, que pensam de modo diferente e que vivem em harmonia. Como é feito este trabalho, em que consiste?

Perfeita a sua pergunta, pois ela alinha-se ao nosso propósito, de “Viver em mundo melhor, com pessoas felizes com a sua aparência”. Nestes anos de atendimento clínico percebi que a maior carência das minhas pacientes era a ausência de carinho, o que se refletia diretamente na falta de atenção na sua autoestima, ou seja, ao não ser percebida e valorizada pelo seu companheiro, ao não ser respeitada no seu trabalho ou pela sua família, essa paciente saía fragilizada e isso impactava diretamente no seu amor próprio.  Quem não se ama, não se nota, não se cuida.

O meu trabalho é totalmente voltado para o resgate e a elevação dessa autoestima. Acredito que ao empoderar a paciente ela fica mais forte para enfrentar os obstáculos diários, não se fragiliza tanto com a falta de atenção fica mais forte para buscar alternativas ao que já não lhe serve ou que já não agrada.

Na sua experiência, qual é o segredo para desenvolver uma boa equipa?

A conexão. Devemos estar alinhados com os valores da empresa, com o propósito que norteia o cuidado com o nosso paciente, o de valorizar a saúde acima de tudo. Na nossa entrevista de emprego quando o futuro colaborador fala sobre “tratar da saúde do paciente,” ele já ganha pontos a seu favor, e o contrário também acontece, quando ele só fala sobre Beleza e Estética perde pontos. Na nossa clínica, a estética é apenas o figurante do filme, nunca a protagonista.

Havendo essa conexão entre o colaborador e o propósito da empresa, a rotina profissional fica próspera e duradoura, o dia-a-dia de trabalho e os detalhes das rotinas clínicas eu, apenas, vou lapidando.

Quais têm sido os maiores desafios ao longo dos últimos anos, e como tem lidado com os mesmos?

Sou movida por desafios e tenho no meu companheiro, Christian Antoniazzi, o maior combustível para me incentivar. Juntos somos “imparáveis”, vivemos em constante movimento e a nossa cabeça não para de criar soluções para melhorar o mundo a nossa volta. Desde a nossa mudança de país (Brasil para Portugal) enfrentámos obstáculos que nos fizeram crescer e evoluir como pessoas e profissionais. Sempre que aparece alguma adversidade, olhamos para ela e encaramos como mais um degrau a subir para atingir um estágio mais elevado na nossa vida.

Atualmente, o nosso maior desafio é o lançamento da nossa linha de produtos de tratamento de skincare. A marca Evecure (o nome é aqui revelado em primeira mão) será lançada muito em breve e estamos promover a expansão da clínica noutros países da Europa. A nossa equipa é reduzida. Dizemos, em tom de brincadeira, internamente, que parecemos uma startup da saúde, tal é a velocidade com que evoluímos com tão poucos recursos humanos.

Que artigo / notícia do foro médico ou odontológico interessante leu recentemente?

Costumo dizer que estudo sobre as mesmas coisas há mais de 11 anos. Odontologia, Anatomia Facial e a Harmonização Facial estão em constante evolução, por isso é necessário estar sempre a actualizar-me para entregar à minha paciente o melhor resultado. Ultimamente tenho aprofundado cada vez mais o meu conhecimento em matérias e artigos que tratam da psicologia humana. Uma vez que, como destacado anteriormente, as minhas pacientes buscam tratamento para questões muito mais profundas do que apenas a estética. Existem dores e feridas abertas que não são tratadas apenas com o botox ou ácido hialurónico.

Onde se imagina daqui a cinco anos em termos profissionais?

Aos poucos, estou a dar uma oportunidade a novos talentos de ocupar o meu espaço, estou a formar novos profissionais para que seja possível focar-me em projetos maiores e mais relevantes para o mundo. Como já referi, cuidar de pessoas está no meu ADN e vivemos hoje em dia num mundo tão carente de gente que cuide, realmente, que preciso cada vez mais de mergulhar nesse universo. Tenho projetos humanitários que são, certamente, mais relevantes e importantes para o mundo que o simples trabalho que faço na clínica.

A violência doméstica é um facto e ainda existe! Infelizmente, quando falamos do tema as pessoas não entendem que além da violência física há a violência psicológica, que muitas vezes é ainda mais difícil de se perceber, por ser velada, porém, deixa marcas profundas fazendo com que essas mulheres se sintam inúteis e com medo. Você acredita que agora, neste momento, existem mulheres que não têm espelho em casa por não conseguirem admirar-se, que por terem a autoestima tão baixa sequer saem de casa? É nesse paciente que quero investir o meu tempo daqui a cinco anos, é esse mundo que quero trabalhar para mudar. Quero que essas mulheres, que não são respeitadas ou são maltratadas, tenham forças para provocar uma virada em sua vida! Afinal, o meu propósito é o de viver num mundo melhor.

Fazer parte de um clube empresarial feminino é partilha, acima de tudo. O que encontrou no F Club que faça a diferença?

Exatamente isso “partilha”, no F Club a diferença está justamente aí, a do engrandecimento e ascensão coletiva. No F Club encontrei o empoderamento feminino sem guerra de egos. Pilares estes que são vitais para a autonomia feminina.

Por Isabel Figueiredo

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin

/ Artigos Relacionados

Artigos Relacionados