Roteiro gastronómico, à descoberta da riqueza culinária pelo mundo

Aliar um destino de férias à curiosidade de provar a sua gastronomia é juntar o melhor de dois mundos. Porque ao viajarmos, não ficamos apenas a conhecer a cultura e a história de um determinado lugar, mas também a sua riqueza gastronómica, tantas vezes fascinante e curiosa. Percorremos consigo alguns dos países que vale a pena visitar pela sua cozinha.

La Bottega del Buon Caffè, Itália
La Trattoria Sull'albero, Itália
Alain Ducasse au Plaza Athénée, Paris
Alléno Pavillon Ledoyen, Paris
GB Roof Garden Restaurant, Grécia
Spondi, Grécia
Sukiyabashi Jiro, Japão
Tempura Kondo, Japão
Canvas, Tailândia
Astrid & Gastón, Perú
Malabar, Perú
Pujol, México
Quintonil, México
Alma, Portugal
Belcanto, Portugal
previous arrow
next arrow
 

Itália

Este é um país onde a vida gira verdadeiramente em torno da comida, tanto que não é surpresa que a comida italiana seja das mais conhecidas do mundo. Os ingredientes mais utilizados nos seus pratos são tomate, azeite, manjericão e queijo mozarela, e de entre os pratos mais conhecidos da Itália estão o risoto, a lasanha e o carpaccio. Apesar da variedade – a cozinha lombarda dificilmente se assemelha à cozinha siciliana – a gastronomia italiana é caracterizada por condensar os aromas e sabores dos seus ingredientes locais. Portanto, muito mais do que pizza e massas, a verdadeira comida italiana tem uma autenticidade que é difícil de igualar. E para os italianos, o acto de comer é algo que deve ser apreciado com paixão e paciência, razão pela qual é um país onde o conceito de confort food impera.

Tanto o “La Trattoria Sull’albero”, com vista para as deslumbrantes colinas da Toscana a evocar a sensação de jantar numa espaçosa treehouse, como o “La Bottega del Buon Caffè”, com estrela Michelin, ambos situados no Borgo Santo Pietro, em Florença, são ótimas escolhas para degustar a verdadeira cozinha italiana.

Grécia

A culinária grega possui uma história de cerca de 4.000 anos (Arcestratos escreveu o primeiro livro de receitas da História em 330 a.c.). Ao visitar este país, é quase obrigatório experimentar os pratos icónicos deste lado do Mediterrâneo: dos famosos Moussaka e Tzatziki ao Tiropita. Mas apesar do que se possa pensar, a culinária grega, é mais do que apenas Moussaka ou a sua famosa salada Choriatiki. A sua gastronomia, feita à base de ingredientes frescos como tomate, batata, queijo de cabra ou peixe, e sempre temperada com azeite, rica em sabores e aromas autênticos, compartilha algumas formas de cozinhar e ingredientes com a Itália e o Médio Oriente, pelo que resulta numa experiência verdadeiramente única. E ao empreender uma viagem ao país helénico não se pode deixar de experimentar também o Ouzo, um delicioso licor com sabor adocicado e aroma de alcaçuz.

Uma vez em Atenas, o “Spondi” ou o “GB Roof Garden Restaurant”, no Hotel Grande Bretagne, conseguem conciliar o melhor da cozinha grega de fusão com bom ambiente.

México

Este é outro país que possui uma das cozinhas mais ricas e populares do mundo. Basta lembrar alguns dos seus pratos mais conhecidos: guacamole, nachos, quesadillas, fajitas, tacos, tamales… com milho e muito picante à mistura. Uma vez provados, dificilmente ficam esquecidos. Usufruindo de uma excelente reputação, a culinária mexicana é, por isso, servida e muito apreciada em vários países. O México deve a riqueza da sua culinária à mistura das diferentes cozinhas que coexistem no seu território, a começar pela dos seus antigos habitantes, maias e astecas, espanhóis e norte-americanos, e o uso de produtos locais, principalmente a grande variedade de pimentas que intensificam o sabor dos seus pratos e encanta os paladares dos mais exigentes.

Quintonil” e “Pujol”, ambos na cidade do México, são referência por conciliarem sabores tradicionais mexicanos com ingredientes e receitas de vanguarda.

França

A culinária francesa é, para muitos, considerada uma das mais sofisticadas e saborosas. Desde 2010, gastronomia francesa e os seus rituais foram reconhecidos como património cultural intangível pela UNESCO. Para além de fazer uso de produtos de diversa e elevada qualidade, a sua cozinha caracteriza-se pela constante inovação. Além disso, em França as refeições são um acto social de grande relevância, onde a atenção dada aos prazeres da mesa pode ser encontrada na vida quotidiana. Como bem dizia a chef e entusiasta da culinária francesa, Julia Child: “Em França, cozinhar é uma forma de arte e um desporto nacional”. Entre as suas iguarias mais conhecidas estão croissants, eclairs, foie gras, creme brulée, para não mencionar os mundialmente famosos escargots e sem esquecer que o termo gourmet, entre outros, nasceu aqui e diz muito sobre a sua gastronomia.

Em Paris, o “Alain Ducasse au Plaza Athénée”, com três estrelas Michelin e um dos chefs mais icónicos de França, e o “Alléno Pavillon Ledoyen”, também com três estrelas, são a derradeira experiência gastronómica francesa.

Perú

Influenciado pelas raízes dos Andes, africanas, espanholas e francesas, o Perú é aclamado por muitos como o melhor destino culinário do mundo. Por isso, não é de surpreender que restaurantes situados em Lima, a capital, estejam considerados na lista dos 50 melhores restaurantes da América Latina. Mas embora Lima abrigue um bom punhado de restaurantes com reputação, com métodos únicos de adaptação de pratos tradicionais à culinária de vanguarda, em qualquer parte do país pode-se apreciar receitas peruanas que têm no Ceviche (peixe cru marinado), Ají de Gallina e camarões acaramelados três das suas mais tradicionais, e ao mesmo tempo inovadoras, especialidades.

O “Astrid y Gaston”, amplamente considerado como um dos melhores restaurantes da capital, e o “Malabar”, cuja cozinha distinta o levou a ser nomeado entre os melhores do mundo, são opções ideais para se jantar em Lima.

Tailândia

Com influências da Índia, da China e da Oceânia, a Tailândia captou o melhor da gastronomia desses lugares e incorporou-o na sua própria culinária, caracterizada por uma mistura de sabores ácidos e picantes, com um equilíbrio entre o salgado e o doce. A originalidade da gastronomia tailandesa reside, em parte, nos ingredientes que a compõe e na abundância de temperos. Ao longo dos séculos, os ancestrais tailandeses conseguiram criar cerca de 5.000 receitas que ainda hoje fazem a diferença. Alguns dos pratos mais conhecidos da cozinha tailandesa são Thai pad, Tom Kha Gai, Nevayum e Khao Mangal. Uma vez em Banguecoque, não se deve perder a oportunidade de experimentar iguarias capazes de agradar até mesmo os paladares mais sofisticados, numa cozinha rica em cores e texturas. Empreendendo uma deliciosa aventura gastronómica, este é certamente um país que conquista pelo estômago.

Uma vez em Banguecoque, opte pelos restaurantes “Saawaan”, que significa céu em tailandês, que é exatamente onde nos querem levar, e “Canvas”, onde os pratos nos menus de degustação oferecem uma lição em sabores arrojados e cativantes. Ambos possuem uma estrela Michelin.

Japão

Quem já não experimentou sushi? Elaborado à base de arroz e vários ingredientes frescos, como peixe ou frutos do mar, esta é apenas uma pequena parte da gastronomia japonesa. “Sopas” Ramen, Yakitori (espetos de frango grelhados) e outras especialidades baseadas em arroz e peixe, como o Maki, assim como as tempuras e todos os tipos de legumes cozidos al dente, são outras das especialidades nipónicas imperdíveis. Atualmente, é possível desfrutar de quase tudo o que é japonês em qualquer parte do mundo, embora nunca tenham o mesmo gosto se quando se está num dos muitos restaurantes gastronómicos (1.758) de Tóquio. Classificada em primeira posição quanto ao número total de restaurantes com estrelas Michelin (226), Tóquio é considerada a capital mundial da Haute Cuisine.

Sukiyabashi Jiro”, com três estrelas Michelin e um só menu (Omakase), ou o “Tempura Kondo”, com duas estrelas e o primeiro restaurante de luxo baseado em tempura, são do melhor que Tóquio oferece.

Portugal

Com ingredientes intrinsecamente multiculturais como o bacalhau do Atlântico Norte, porco preto de toda a Península Ibérica e especiarias do Sudeste Asiático a servirem de elementos fundamentais nas tradições culinárias, para além do azeite do Alentejo, a comida portuguesa possui muitos, ricos e diferentes componentes. Uma culinária caracterizada sobretudo pela sua rusticidade e ruralidade, sem que tal signifique falta de sofisticação. O nosso país também é abençoado pelo acesso aos “frutos” do mar, sempre frescos, graças a metade do seu perímetro estar rodeado de oceano. E sendo um país tão pequeno, a diversidade dos seus queijos, da sua doçaria e da sua cozinha em geral, para além de possuir um clima ideal para a produção de vinhos, compõem a riqueza da particularidade de Portugal e da sua gastronomia.

Lisboa oferece excelentes opções, porém os restaurantes “Alma” e “Belcanto” são referência graças às duas estrelas Michelin que cada um conquistou.

Em suma, um dos elementos culturais mais autênticos de um lugar é a sua gastronomia. Os gostos únicos da culinária de um destino revelam importante informação sobre a sua história cultural e económica. Muitos outros países há que podem ser considerados devido à sua riqueza gastronómica, como a China, a Suíça ou a índia, mas estamos certos de que abrimos o apetite para os mais importantes e bem considerados destinos.

Por João Libério

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin

/ Artigos Relacionados

Artigos Relacionados

/ Artigos Recentes

Artigos Recentes

Joias de cabelo

Incontornáveis na passarela das últimas semanas de moda de Paris e Nova Iorque, os adornos