16 peças que não podem faltar na sala

1. Luisa Peixoto
1. Luisa Peixoto
2. Nuno Matos Cabral, CENTOPEIA
2. Nuno Matos Cabral, CENTOPEIA
3. MOELLER, jarras, FÜRSTENBERG
3. MOELLER, jarras, FÜRSTENBERG
4. Jan Kath, tapetes coleção Polonaise, 300cmx400cm
4. Jan Kath, tapetes coleção Polonaise, 300cmx400cm
5. Bold, coffee table da Ghidini1961
5. Bold, coffee table da Ghidini1961
6. Móvel Zuan living, candeeiro Jackfruit, Ghidini1961
6. Móvel Zuan living, candeeiro Jackfruit, Ghidini1961
7. Home Office, Jetclass
7. Home Office, Jetclass
8. Moooi, papel de parede Shoji Blossom, sofá Divina
8. Moooi, papel de parede Shoji Blossom, sofá Divina
9. Turri, Meltinglight dining room
9. Turri, Meltinglight dining room
10. Vuelta, Chaise-lounge e mesa Grain Cut, Wittmann
10. Vuelta, Chaise-lounge e mesa Grain Cut, Wittmann
11. WOUD, Geyma Stone
11. WOUD, Geyma Stone
12. Casamilano, consola ELEPHANT
12. Casamilano, consola ELEPHANT
13. Casamilano, otomana FRANCIS
13. Casamilano, otomana FRANCIS
14. Larsen, propostas de tecidos
14. Larsen, propostas de tecidos
15. Luna, Catellani & Smith
15. Luna, Catellani & Smith
16. Consexto, Beovision, Harmony
16. Consexto, Beovision, Harmony
previous arrow
next arrow
 

Os espaços de convívio nas nossas casas, em regra as salas de estar e de refeições – e, em boa verdade, cada vez mais extensíveis às cozinhas, quando integradas e abertas à zona de living -, pressupõem uma harmonia entre a paleta de materiais, a funcionalidade e o conforto. Indissociáveis, estes três aspetos, quando bem combinados, asseguram uma vivência que inspira bem-estar e serenidade. Isto porque da boa conjugação de cores e materiais, escolhidos quer para as peças de mobiliário, revestimentos de chão e paredes e acessórios, nasce aquele equilíbrio que a maioria de nós procura e que, à primeira vista, nos faz sentir imediatamente bem. Com aquela sensação de “chegados a casa”. Madeiras de boa qualidade combinadas com pedras e latão, veludos e demais têxteis resistentes ao uso mas de toque suave, peças desenhadas para acompanhar as curvas do corpo, entre tantos aspetos, são hoje parte constante das propostas dos melhores fabricantes e designers. Escolhemos algumas das sugestões que este ano nos inspiram a querer ficar mais tempo recolhidos, na nova temporada, em que o tempo frio assim o exige.

1. Da Luísa Peixoto, marca de design de luxo nacional, a peça Samurai, com intervenção artística de Axel Crieger, lacada com foto impressa em alumínio, feita à medida, 90x160x50 cm, acabamentos mate, semi-brilho e brilho.

2. Da primeira coleção de mobiliário do ateliê Nuno Matos Cabral Design Studio, a peça Centhopeia que, à semelhança das restantes criações, assenta um dos seus pilares na sustentabilidade. Todas as peças de mobiliário da marca são feitas a partir de materiais pré-compostos que reduzem drasticamente o abate de árvores para a sua produção. Centhopeia é em Ébano Macassar e tem apontamentos em dourado. Os interiores são terminados em encarnado. Peça vendida por encomenda – tempo de entrega, em média, de 90 dias, uma vez que cada peça é como se fosse única.  

3. A pequena, mas exclusiva coleção Moller Edition consiste em potes com o design clássico dos anos 1930 e 1950, disponíveis em diferentes tamanhos, e criados recentemente a partir de modelos originais pelos especialistas em porcelana da Fürstenberg. Os potes são decorados com um fundo colorido. A casa alemã soma mais de 270 anos de existência desde que foi fundada, refletindo até à atualidade a época e o potencial para que cada peça se torne um clássico.  

4. Pela mão da exclusiva Jan Kath, tapete da coleção Polonaise, inspirado nos antigos desenhos feitos de fio de seda, entrelaçados com fios de ouro e prata, exibindo florestas encantadas de flores de lótus, arabescos e palmetas. Por um lado, o efeito é vibrante e simétrico, assim como olhar através de um caleidoscópio; por outro, encantado e elegante. Jan Kath reconstruiu as cores, a maioria das quais desbotadas, adicionou os seus próprios motivos e usou o processo de acabamento antigo bem como a assinatura típica da marca, de adicionar novos destaques.  

5. Da coleção de 2020 da Ghidini1961, a mesa de café da linha Bold, destaca-se pelo seu generoso pé cilíndrico de mármore. O distinto aro de metal contrasta com o tampo, no mesmo material, numa harmonia de cores muito elegante.  

6. Armário para casa de jantar Zuan, por Paolo Rizzatto para a Ghidini1961, de inspiração japonesa. A sua estrutura esguia encontra o destaque nas quatro pernas delgadas em metal dourado. O compartimento central, fechado por puxadores de latão, encerra prateleiras em mármore verde Alpi. A parte superior é dividida em quatro seções, por sua vez divididas em nichos mais pequenos. Sobre o aparador, o candeeiro Jackfruit, do mesmo estúdio.  

7. Da Jetclass, ambiente com a secretária Oxford, estrutura em MDF hidrófugo com destaque para o detalhe no pé em aço inoxidável e os puxadores em madrepérola; a mesa de centro Blume, para uma experiência de design diferente, em que a semelhança entre o tampo e a base conferem equilíbrio e harmonia na decoração de interiores; os cadeirões Collins (à direita), exalam o requinte e a elegância do passado, com os seus braços arredondados, os detalhes delicados e a contemporânea reinterpretação das linhas clássicas numa peça intemporal; o cadeirão Charme (à esquerda), com design clássico e gracioso, ilustrado por toques vintage e românticos; o candeeiro de pé Ottis, inspirado pelo estilo de vida cosmopolita, cuja forma peculiar é uma presença marcante numa variedade de cenários, simbolizando a reinterpretação de formas e materiais, e tanto adequado para projetos residenciais e de hotelaria, porque todos os acabamentos podem ser personalizados de acordo com as preferências do cliente – Ottis está disponível também em versão de mesa. Ao fundo, a estante Weston, em que a conjugação dos diferentes módulos e acabamentos permite obter a peça à medida para cada projeto.   

8. Da sempre inovadora e criativa Moooi, o sofá premiado BFF, por Marcel Wanders, faz parte do sistema modular de sofás de alta qualidade, macio e firme, composto por uma ampla variedade de módulos para uma configuração infinita, disponível em mais de 1730 tecidos. Ao fundo, o revestimento mural Shoji Blossom, na cor Copper, imaginado por Art & Moooi, em denim ou lã feltrada, com padrão em relevo, para aquecer e trazer serenidade ao espaço. Flores de cerejeira e linhas retas lembram a sensação minimalista das telas japonesas Shoji.  

9. Da italiana Turri, vitrinas para a casa de jantar, design de Frank Jiang, da nova coleção Melting Light, com estrutura em madeira natural, podendo escolher o modelo com duas portas de vidro ou uma porta de vidro e outra de couro. O armário de vidro é equipado com iluminação LED e prateleiras de vidro bronzeado no interior. A vitrina Melting Light está disponível em diferentes acabamentos de acordo com o catálogo da marca.  

10. Chaise-longue Vuelta, pelo espanhol Jaime Hayon para a Wittmann, é uma peça clássica, autónoma, uma espécie de retiro particular, mesmo quando faz parte de um conjunto maior. As linhas sensuais de Vuelta encontram uma continuidade lógica na chaise-longue (190cm comprimento). Para usar com a mesa lateral Grain Cut, torneada a partir de um sólido bloco de madeira, a ser colocada onde for necessária devido às suas alças flexíveis. Tanto serve de apoio para um livro, um copo de vinho ou uma chávena de chá. Como escultura na sala, atrai a atenção e desperta discussões sobre arte e design.  

11. Aparador Geyma da dinamarquesa Woud, peça versátil que pode ser utilizada como espaço de arrumação ou como suporte da TV. O seu design escandinavo contemporâneo, com inspirações retro, é sempre uma peça atraente em vários tipos de interiores, qualquer que seja o tipo de acabamento. Em vez de puxadores, as portas de correr estão equipadas com três orifícios para um abrir e fechar prático. O aparador Geyma foi projetado pelo Studio Nur.  

12. Consola Elephant, por Pietro Russo para a Casamilano, caracterizada por um design refinado, o que a torna perfeita para qualquer ambiente da casa.
Destaque para a borda preta em contraste com a essência que faz dela uma peça sofisticada. Painel de aglomerado de madeira, revestido com essência de madeira, base de metal mate pintado de preto. Mede 90x150x40 cm,  

13. Otomanas Francis, por Massimiliano Raggi para a Casamilano, distinguem-se pela sua forma que, quando combinadas, parecem formar um arquipélago. Madeira de choupo multicamadas, espuma de poliuretano, capa removível (em tecido), capa fixa (em couro).  

14. Propostas dos tecidos sempre exclusivos da Larsen: Daloa, cores Tabaco e Bark, triângulos inspirados nas casas tradicionais africanas, uma textura flexível com um toque suave; Tigris, cor Spice, colhe inspiração num tapete tibetano com o tigre, padrão recorrente na cultura dos Himalaias, tecido com fios irregulares para criar uma aparência verdadeiramente autêntica. Kayar, cor Charcoal, o padrão de pele de tigre aqui materializado em veludo para um look mais clássico e sempre na moda.  

15. Luna, da Catellani&Smith, candeeiro de mesa desenvolvido segundo a reflexão sobre a cor da luz: a luz dourada do sol e do fogo; luz quente, na qual o conceito de refração começou a tomar forma na mente de Enzo Catellani e que o designer usou posteriormente noutras criações.

16. Da B&O, Beovision Harmony, projetada para a melhor experiência audiovisual cinematográfica e envolvente, com o recurso à mais recente tecnologia de tela OLED de 8K e 65″ e 77″, para uma resolução 4K. Um clássico conceptual para todos os que acreditam que a estética é tão importante quanto a experiência. A televisão é baseada em mobiliário de meados do século que a escondem atrás de cortinas para uma integração total na sala de estar.  

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin

/ Artigos Relacionados

Artigos Relacionados

/ Artigos Recentes

Artigos Recentes