Fondation Louis Vuitton apresenta a coleção Morozov: Ícones da Arte Moderna

previous arrow
next arrow
Slider

A exposição organizada pela Fundação Louis Vuitton, em colaboração com o Hermitage, o Museu Pushkin de Belas Artes e a Galeria Tretyakov será a segunda da série ‘Modern Art Icons’ e acontece de 24 de fevereiro a 25 de julho de 2021.

Fundação Louis Vuitton apresentará esta que é uma das mais importantes exposições de Arte Moderna e Impressionista do mundo. Até o dia 25 de julho, a exposição, em Paris, reúne um total de 200 obras-primas da coleção dos irmãos Mikhail e Ivan Morozov. Esta será a primeira vez que a coleção viajará para fora da Rússia, desde seu início, no início do século XX.

A Coleção Morozov, organizada pela Fundação, em colaboração com o Museu Hermitage (São Petersburgo), o Museu Pushkin de Belas Artes (Moscovo) e a Galeria Tretyakov (Moscovo), é a segunda exposição da série ‘Ícones da Arte Moderna’, inaugurada em 2016 com a exposição The Shchukin Collection, ambas dedicadas a colecionadores e patronos de arte destacados, bem como The Courtauld Collection, ‘A Vision of Impressionism’, realizada em 2019.

A Coleção Morozov reuniu nas galerias do edifício emblemático da Fundação Louis Vuitton uma seleção de obras de renomados artistas franceses, como Manet, Rodin, Monet, Pissarro, Toulouse-Lautrec, Renoir, Sisley, Cézanne, Gaugin, Van Gogh, Bonnard, Denis, Maillol, Matisse, Marquet, Vlaminck ou Derain, ao lado dos mestres russos Repin, Vrubel, Korovin, Golovin, Serov, Larionov, Goncharova, Malevich, Mashkov, Konchalovsky, Outkine, Saryan e Konenkov. Idealizada por Anne Baldassari, curadora da mostra, a Coleção Morozov incluirá descobertas surpreendentes e momentos memoráveis, num cenário único que destacará a natureza intemporal de tais obras, exemplos máximos da modernidade artística emergente do final do século XIX e início do século XX.

Pela primeira vez, a Sala de Música da mansão de Ivan Morozov em Moscovo será apresentada fora do Museu Hermitage numa instalação que marcará o fim da apresentação das obras de Morozov. Esta monumental instalação incluirá os sete painéis encomendados por Ivan Morozov em 1907 a Maurice Denis sobre o tema ‘A História da Psique’ (1908-1909), bem como quatro esculturas de Aristide Maillol. A Sala de Música revelar-se-á, assim, uma janela aberta muito exclusiva para a vida do colecionador excepcional.

A Fundação Louis Vuitton e Les Editions Gallimard irão, para o efeito, coeditar um catálogo académico de 520 páginas, ‘A Coleção Morozov – Ícones da Arte Moderna’, baseado nos extensos arquivos de Mikhail e Ivan Morozov guardados no Museu de Belas Artes Pushkin e na Galeria Tretyakov. A publicação incluirá textos e documentos inéditos que ilustram a extraordinária história da família Morozov.

Os irmãos Morozov

Mikhail Abramovich Morozov (1870-1903) e Ivan Abramovich Morozov (1871-1921) foram dois mecenas das artes que dominaram a vida cultural de Moscovo no início do século 20, da mesma forma que os Tretyakovs, Mamontovs, Riabouchinskys e Shchukins. Ficaram conhecidos pelo seu apoio incondicional à arte contemporânea europeia e russa, e pelo seu enorme contributo para o incremento da reputação internacional dos pintores franceses modernos.

Seguindo a sugestão dos principais dealers de arte em Paris – Paul Durand-Ruel, Ambroise Vollard, Georges Bernheim, Eugene Druet ou Daniel-Henry Kahnweiler -, os Morozovs adquiriram mais de 250 pinturas e esculturas icónicas de artistas como Cézanne, Gauguin, Van Gogh , Renoir, Monet, Matisse, Marquet, Derain ou Picasso, bem como obras decorativas monumentais de Bonnard e Denis ou esculturas de Rodin e Maillol. Da mesma forma, apostaram na arte russa contemporânea reunindo quase 400 obras russas modernas de artistas do Realismo, Simbolistas, Impressionistas e movimentos pós-impressionistas, como Vrubel, Korovin, Golovin, Serov, Outkine, bem como Larionov, Mashkov, Konchalovsky, Saryan e Konenkov .

A nacionalização das suas coleções em 1918 permitiu a criação do primeiro museu de arte moderna do mundo: o Museu de Arte Moderna Ocidental / GMNZI, inaugurado na mansão de Ivan Morozov em Moscovo em 1928. Dos anos 1930 a 1948, as coleções foram gradualmente distribuídas entre as instituições públicas russas: o Museu Hermitage, o Museu de Belas Artes Arles Pushkin e a Galeria Tretyakov.

Colaboração institucional

A série ‘Icons of Modern Art’ (Ícones da Arte Moderna), dedicada às coleções Shchukin e Morozov, é um exemplo dos laços duradouros de amizade e colaboração entre instituições francesas e russas. A Coleção Morozov marca um novo marco na parceria institucional entre a Fundação Louis Vuitton, o Museu Hermitage, o Museu de Belas Artes Pushkin e a Galeria Statao Tretyakov. 
A mostra também conta com os empréstimos importantes do Museu Russo de San Petersburgo, o Museu Nacional de Arte da República da Bielo-Rússia (Minsk, Bielo-Rússia), o Museu de Arte de Dnipropetrovsk (Ucrânia), MAGMA Moscovo e as coleções particulares de Vladimir e Ekaterina Semenikhine, entre outros. Paralelamente, a Fundação apoia um amplo programa de pesquisa, preservação e restauração de obras francesas modernas (Picasso, Matisse, Gaugin e Van Gogh) e russas (em particular, Vrubel) das coleções do Museu de Belas Artes Pushkin e do Galeria Tretyakov. 
A Fundação Louis Vuitton também está a levar a cabo um projeto de remodelação equipando a Oficina de Restauração do Museu Pushkin. Como parte do seu patrocínio ao Museu Hermitage, a LVMH participou ativamente na organização da exposição Morozov em junho de 2019, em São Petersburgo. A LVMH também apoiou o projeto liderado pelo Museu Hermitage ‘Os Irmãos Morozov’. Grandes colecionadores russos, cujo objetivo passou por recriar dentro das suas coleções permanentes a Sala de Música da mansão de Ivan Morozov. Tais projetos de patrocínio são apenas um exemplo do apoio do Grupo LVMH às artes e cultura em França e em todo o mundo ao longo de mais de 30 anos.  

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin

/ Artigos Relacionados

Artigos Relacionados

Desconfinar mente e alma

Sugerimos seis propostas, entre Lisboa e Nova Iorque, onde o patamar de qualidade é extraordinariamente

/ Artigos Recentes

Artigos Recentes