Museu Yves Saint Laurent, em Marraqueche, por Studio KO

Abertura-10131258535004
Abertura-10131258535004
SKO-MSL-FINI-004_Facade
SKO-MSL-FINI-004_Facade
SKO-MSL-FINI-001_Facade
SKO-MSL-FINI-001_Facade
SKO-MSL-FINI-016_GrandHall
SKO-MSL-FINI-016_GrandHall
SKO-MSL-FINI-017_GrandHall
SKO-MSL-FINI-017_GrandHall
10131253205089
10131253205089
10131248376767
10131248376767
10131300565802
10131300565802
10131254358329
10131254358329
10131257302505
10131257302505
10131251574708
10131251574708
10131303044649
10131303044649
previous arrow
next arrow

Quando, há três anos, Pierre Bergé, parceiro de longa data de Yves Saint Laurent nos negócios e na vida, entrou em contato com os arquitetos Olivier Marty e Karl Fournier, do Studio KO, a quem pediu que projetassem um museu em Marraqueche que abrigasse o legado de YSL, havia apenas uma exigência: que fosse algo simples, com impacto, contemporâneo, marroquino e, acima de tudo, absolutamente intransigente”. Para Bergé esta era a primeira vez que encomendava tal empreitada, de raiz. Para os arquitetos do Studio KO, habituados a projetar para clientes como Hermès e Agnelli, era mais um desafio, tanto maior porque foram conhecer o retiro marroquino que Bergé e Yves Saint Laurent haviam restaurado juntos.

O museu é assim construído, inaugurado em 2017, e dedicado à vida e obra do ícone da moda francesa Yves Saint Laurent, na cidade marroquina de Marraqueche, e está localizado a uma curta distância do Jardim Majorelle – a casa adquirida por Saint Laurent e Pierre Bergé em 1980.

Com um amplo espaço destinado às exposições permanentes, projetado pelo cenógrafo Christophe Martin, o museu contemporâneo também integra espaços para mostras temporárias, uma biblioteca e arquivos de pesquisa, um auditório, livraria e um café no terraço.

Os arquivos de YSL foram fundamentais para capacitar a dupla do Studio KO de todas as ferramentas para criar algo especial, algo, como referem, que se destaca pelas “linhas curvas que percorrem os planos retos; pela sucessão de formas delicadas e ousadas”. Como resultado, a fachada do edifício surge como “uma interseção de cubos com uma cobertura de tijolos semelhante a uma renda”, dando origem a padrões que “lembram a trama e a teia do tecido”.

O espaço para exposições permanentes de 400 metros quadrados do museu exibe 50 criações de alta costura. Destas, a maioria nunca foi vista antes, estão expostas num ambiente discreto. Uma fotografia de grandes dimensões, luminosa e radiante, de Yves Saint Laurent envolve as peças de roupas.

/ Artigos Relacionados

Artigos Relacionados