Restaurantes asiáticos – viagem pelos sabores do Oriente

previous arrow
next arrow
Slider

Nunca a Ásia esteve tão perto. Bom exemplo disso são os novos restaurantes asiáticos, que nos transportam para um continente longínquo, onde os mais conceituados chefs nos brindam com o melhor da gastronomia oriental. Uma fusão perfeita entre tradição e criatividade, tudo isto em ambientes únicos, a conhecer o quanto antes.

JNcQUOI Asia

Este é muito mais do que um restaurante especializado em gastronomia asiática. Aberto em julho de 2019, o JNcQUOI Asia reúne no mesmo espaço quatro áreas distintas, com diferentes ambientes: bar, restaurante, zona de sushi e terraço. Com uma área total de 950m2 e interiores pensados ao mais ínfimo pormenor, a nova aposta do grupo Amorim Luxury, que já detém o JNcQUOI Avenida, propõe uma atmosfera de requinte asiático e remete-nos para as movimentadas ruas de Tóquio, Banguecoque ou Xangai. À semelhança do primeiro espaço da marca, também este está localizado na artéria mais luxuosa de Lisboa, a Avenida da Liberdade, e o projeto de arquitetura é assinado pelo gabinete do arquiteto catalão Lázaro Rosa Violán, conhecido pelos seus interiores sofisticados e ecléticos. Na área destinada ao restaurante, alojado no centro do espaço, e com capacidade para mais de 100 lugares sentados, destaca-se o impressionante dragão suspenso do teto, em harmonia com a decoração sofisticada, onde se combinam os tons vibrantes do Oriente, caso do vermelho, dourado e verde e materiais como veludo, madeira e cobre. A cozinha propõe um mix de sabores vindos do Oriente e está equipada com forno Tandoori  várias estações de Wok ou o grill robata, e aqui lideram os chefs António Bóia e Mário Esteves e os sous-chefs especializados em gastronomia indiana, tailandesa, japonesa e chinesa. O chef David Thompson ocupa-se da consultoria. 

Onde: Lisboa
Saiba mais em: www.jncquoi.com/asia

Estoril Mandarim

É uma referência gastronómica do Casino Estoril e do país. O Mandariam é provavelmente o mais genuíno dos restaurantes de cozinha chinesa em Portugal. A sua alta cozinha da região de Kuong Tong torna-o único em Portugal e eleva-o a um dos melhores a nível europeu. Tal deve-se, também, à chefia ímpar de Peng Kuan U, distinguido por vários meios de informação, assim como pelos seus pares, como um dos melhores chefs de cozinha chinesa do mundo. Com tamanho enaltecimento, o que poderemos encontrar no Estoril Mandarim? Aos almoços, as preferências vão para as iguarias da milenar cozinha chinesa, caso do dim sum, composto por pratos de cozinha a vapor. Para o jantar, pode contar com 119 opções de escolha, sendo o pato assado à Pequim a especialidade sobressaindo, ainda, os Crepes à Cantonês, o Won-Ton Frito, os Ham-Soi-Kok – Bolinhos Fritos de Carne com Camarão Seco –, a Galinha em Cubos Salteada com Pimenta Preta e Mel e as Gambas Fritas com Sésamo servidas com Molho de Limão.

Situado no edifício do Casino Estoril, o Mandarim é um restaurante de visita obrigatória, com uma vista panorâmica sobre os jardins – com a fonte cibernética em primeiro plano -, que se estendem até à praia do Tamariz. Um espaço de eleição que acolhe um conceito de gastronomia de luxo oriental como nenhum outro.

Onde: Estoril, Cascais
Saiba mais em: www.casino-estoril.pt

Soão

As fragrâncias e a azáfama, o burburinho e a própria atmosfera remetem-nos para as ruas agitadas das grandes metrópoles, do Japão à Coreia ou Vietname. O Soão poderia ser uma taberna asiática, mas é um dos restaurantes mais excitantes da cidade e o reflexo da pesquisa aturada levada a cabo pelos seus proprietários, que quiseram desde o início imprimir nas propostas gastronómicas e nos interiores do Soão a magia do Oriente.

O deus japonês do vento, Fujin, à entrada, a robata, foco central e onde o chef Luís Cardoso – o primeiro português a assumir os comandos do lendário Aya, do mestre Takashi Yoshitake – prepara os mariscos, peixes e demais ingredientes frescos; as cores quentes das madeiras, as lanternas chinesas ou gravuras, aqui e ali, cativam à primeira vista. Sim, estamos em Lisboa! Mas poderíamos estar numa qualquer cidade do sudeste asiático.

A merecer distinção, a carta de sushi e sashimi, os dim sum (China) e o kimchi picante (Coreia), as típicas samosas (Índia), o aromático pad thai (Tailândia) ou o célebre pho (Vietname). A carta de bebidas não é de menosprezar e foi criada com base nos costumes asiáticos com a sugestão de uísque japonês, gim, rum, vodca e cerveja. No Soão, a proposta é mesmo uma viagem pela Ásia, com muitas especialidades a provar, da Índia, China, Japão, Tailândia, Coreia, Indonésia ao Laos.

Onde: Lisboa
Saiba mais em: www.soao.pt

Boa-Bao

O Boa Bao é um caso sério da gastronomia asiática em Lisboa, e mais recentemente do Porto, onde abriu portas no início do verão de 2019. Num e noutro as filas formam-se à porta, entre curiosos que ali vão pela primeira vez e clientes fiéis. O ambiente descontraído, que pode oscilar entre “chique e casual” e a sua cozinha pan-asiática são as principais atrações. A seleção de pratos é preparada a pedido, “a la minute e on the spot” pela equipa de chefs experientes e com os melhores ingredientes frescos, com base nas receitas originais, havendo quem elogie o pad-thai, as chamuças vegetarianas e o facto de no menu constarem pratos sem glúten. A visita ao Boa Bao é ainda uma experiência sensorial e social, mas acima de tudo é um périplo pelo melhor da oferta gastronómica de países como Tailândia, Vietname, Laos, Camboja, Malásia, Indonésia, Filipinas, Coreia, Japão e China.

Onde: Lisboa e Porto
Saiba mais em: www.boabao.pt

Ajitama Ramen Bistro

Estamos no lugar ideal para provar o prato mais popular no Japão: o ramen. A história do Ajitama Ramen Bistro começou no final de 2015, quando dois amigos de longa data, António e João, que haviam vivido na Ásia, se apaixonaram por este prato típico do Japão. Chegados a Portugal, decidiram desenvolver a sua própria receita, dando a provar as receitas de ramen em casa. Uma espécie de clube à porta fechada, onde havia que bater primeiro antes de entrar. De forma a alargar a oferta, António Carvalhão e João Ferreira embarcaram num curso de chefs de ramen na melhor escola de Tóquio, a Rajuku, liderada pelo sensei Takeshi Koitani. Com a bagagem cheia de novas tendências nipónicas, quiseram alargar as suas experiências a um espaço com outras dimensões… e sair de casa! Para tal, abriram as portas do Ajitama Ramen Bistro, o restaurante. Neste espaço, o cliente é transportado para o Japão, com uma dominante de madeira e estruturas suspensas no mesmo material, que representam o seu topping preferido: o ovo Ajitama. Às várias propostas de ramen, há ainda a juntar, e provar, as entradas, destacando-se as incontornáveis gyosas.

Onde: Lisboa
Saiba mais: www.ajitama.pt

O Asiático

Pasta de arroz, cogumelos desidratados, feijão chinês, bagas goji ou tofu. São muitos os ingredientes do mundo que lhe dão as boas-vindas n’O Asiático, o novo restaurante do chef Kiko, no Bairro Alto, dispostos em frascos de vidro, em contraste com a parede pintada de vermelho vivo. O espaço é, para início de conversa, invulgarmente bonito. Entramos por um corredor intimista e dali podemos ser encaminhados para o bar, empoleirado sobre a sala principal, no mezanino, ou dirigirmo-nos à mesa que nos é atribuída. Da sala, avista-se a dinâmica da cozinha aberta ou a parede do pátio, com revestimento cerâmico de contornos marcadamente nipónicos e o verde das árvores. É ainda aqui que no bom tempo se pode prolongar a refeição. Na sala, domina da mesma forma a árvore de grandes dimensões, com uma altura de quase 8 metros. No total, o espaço tem 800m2, divididos entre o bar, a sala e o pátio, onde pode aquecer-se com o calor suave da lareira, com água à volta. Todos os menus do chef são trabalhados no laboratório. É um espaço de cozinha privado onde Kiko Martins passa várias dias a testar novas receitas até tudo estar pronto para ser saboreado pelos clientes. Rosbife tailandês, vitela com gambas, papaia verde e tapioca, surf and turf coreano, espuma de ostras com tártaro coreano, pera Nashi e alga nori são algumas das propostas d’O Asiático.

Onde: Lisboa
www.facebook.com/OAsiaticoChefKiko

Yakuza Cascais

Localizado no Hotel Sheraton Cascais, aqui domina o balcão único, que atrai os olhares mais curiosos de todos os que gostam de acompanhar a preparação dos pratos. No jardim, as mesas estão reservadas a momentos mais intimistas, em família ou entre amigos, sobretudo no bom tempo. O Yakuza Cascais – que sucede aos de Lisboa e do Algarve -, segue o mesmo conceito a que o grupo Olivier Restaurantes já nos habituou: cozinha japonesa reinventada sob uma influência mediterrânea, que também pode ser preparada da forma tradicional.

Do sushi ao sashimi, dos makizushi e gunkans às tempuras, passando ainda pelas saladas, a carta é alargada e promete uma experiência sensorial especial. Todas as semanas, às quartas-feiras, o Yakuza Cascais promove uma viagem pela cozinha nipónica com uma sugestão de degustação, onde terá a oportunidade de assistir à preparação das peças de sushi. A reserva deve ser efetuada antecipadamente e a reserva está limitada a 10 lugares.

Onde: Hotel Sheraton Cascais
Saiba mais em: www.sheratoncascaisresort.com/pt/restaurantes/yakuza-cascais

Midori

Recentemente distinguido pelo prestigiado guia Michelin com a sua primeira estrela, o exclusivo Midori faz parte do Penha Longa Resort, em Sintra e propõe uma cozinha japonesa moderna, num ambiente requintado e intimista. O chef Pedro Almeida é conhecido pela forma como aborda a gastronomia do Japão e desde 2017 desenvolve um conceito de menu que cruza as cozinhas portuguesa e a japonesa, distanciando-se das propostas de fusão, praticadas em muitos restaurantes do tipo. No Midori, que existe há mais de duas décadas, as técnicas e os sabores são abordados com rigor e as aproximações não são forçadas. Os nigiris deste menu kaiseki (designação dos menus de degustação com a estrutura tradicional japonesa) são, cada um, eximiamente conseguidos.

O atual Midori tem hoje uma sala bastante mais pequena (80 metros quadrados para um total de 18 lugares), com uma parede de vidro que proporciona vistas únicas para a Serra de Sintra e decoração depurada para que todas as atenções se concentrem nos pratos e na encenação em torno do serviço – a título de exemplo, antes da refeição começar é-nos apresentada uma caixa de madeira com os peixes que irão ser utilizados para que apreciemos a sua frescura.

Onde: Sintra
Saiba mais em: www.penhalonga.com/pt/gastronomia/midori

Romando Privé

Fica em Vila do Conde e assenta num conceito especial onde se propõe um serviço de comida tradicional japonesa num ambiente muito exclusivo. Da rua, avistam-se as enormes janelas do imponente edifício onde se aloja, o que desde logo que faz adivinhar uma experiência diferente. No Romando Privé, que para nosso gáudio de privado nada tem, os pratos são servidos num ambiente a média luz, sobressaindo os tons dourado e preto, o bar de cocktails em mármore ónix retroiluminado e a decoração sofisticada. Salientem-se os ingredientes de máxima qualidade, o atendimento afável, o cocktail diferente que a cada momento da refeição nos é sugerido e aquela que muitos consideram a melhor sobremesa para quem gosta de terminar em grande: ‘A Tal Sobremesa do Privé’ – um delicioso fondant de caramelo e outro de chocolate, um macio red velvet e gelados refrescantes. É caso para dizer que estamos perante um intenso triângulo amoroso, composto por propostas de alta qualidade, cocktails hand-picked e muito conforto.

Onde: Porto

Saiba mais em: www.romando.pt

Os melhores sabores do Oriente em Angola

K Luanda Chic

Aviso aos amantes de sushi: o K Luanda Chic, pertencente ao grupo K, é o tipo de restaurante que justifica uma viagem de mais de 40 minutos pelo trânsito luandense para provar as suas criações ímpares. Localizado no primeiro andar do Atlantic Business Center, em Talatona, este é um restaurante dedicado à gastronomia japonesa e, em especial, ao sushi. Sugere uma autêntica viagem aos clássicos sabores japoneses, tudo isto num espaço contemporâneo, elegante e bem decorado, composto por uma sala interior e uma varanda coberta.

As suas salas tatami, construídas com materiais locais, estão localizadas mesmo em frente ao restaurante, do outro lado do corredor. Cada sala – no total são 5 – tem capacidade para cerca de 5 pessoas, em privado. Além de única, é uma experiência divertida.

O menu propõe entradas variadas, e todas deliciosas – ceviches, carpaccios, tatakis e sopa miso shiro, entre outras escolhas. O que se segue depois é todo um mundo de iguarias irresistíveis: sashimis de vários peixes, diferentes tipos de hot rolls, nigiris e temakis, e os sempre saborosos combinados – com efeito, verdadeiras obras de arte com os mais variados tipos de sushi e sashimi. Nas salas tatami poderá ainda optar pelo menu omakase, que em japonês significa “a escolha do chef” onde se propõe uma forma interessante de conhecer a gastronomia japonesa, para além do sushi.

Onde: Luanda
Saiba mais: www.facebook.com/Restaurante-K-Luanda-Chic

Switch Supper Club

O Switch Supper Club, localizado no Epic Sana Luanda é um projeto da autoria do arquiteto Câncio Martins e resulta de uma fusão de espaços para jantar, socializar e dançar. Este cenário único e intenso revive a cultura dos supper clubs, espaços sofisticados onde é possível jantar, mas também dançar, e que definiram um estilo de vida.

A carta oferece várias opções de fine dinnig assentes nos sabores da gastronomia portuguesa, mas também internacional, onde se inclui a japonesa, nomeadamente com a presença de sushi. Os bares e o mezanino são espaços aconchegantes onde dá para relaxar, com todo o tempo do mundo. Depois de jantar, ainda pode, se desejar, estender a noite na companhia de uma taça de champanhe e aproveitar o conforto das espreguiçadeiras, com vista panorâmica para a pista de dança. Os djs residentes e convidados assumem o papel de maestro.

Onde: Epic Sana Luanda
Saiba mais em: www.luanda.epic.sanahotels.com

Por: Sofia Santos Cardoso

/ Artigos Relacionados

Artigos Relacionados

/ Artigos Recentes

Artigos Recentes

Mobiliário de exterior

Luxo a bordo

Relax total com a chaise-longue e otomana Ribbon São boas as vibrações oceânicas que a