Karl Lagerfeld

O eterno kaiser da moda

Karl Lagerfeld, um dos maiores estilistas contemporâneos, tornou-se numa figura icónica do universo da moda, fazendo renascer a marca Chanel, considerada, à altura, pela maioria, como irremediavelmente ultrapassada. Com as suas grandes criações (e as pequenas polémicas), Lagerfeld viu crescer o seu legado, ficando conhecido para a eternidade como o kaiser da moda.

Os calendários marcavam o mês de setembro de 1933, uma época em que começavam a surgir algumas das mais reputadas casas de moda, quando a cidade de Hamburgo, na Alemanha, serviu de cenário ao nascimento de uma das maiores figuras da moda contemporânea. Filho de um empresário e de uma vendedora de lingerie, Karl Otto Lagerfeld (ou Lagerfeldt no original) cresceu fascinado pela imagem: ainda em criança, influenciado pelos desenhos animados das crónicas alemãs, ambicionou ser cartoonista. Porém, depressa se apercebeu que o seu destino se viria a cruzar com o mundo do corte e da costura. Com apenas 17 anos, já na qualidade de jovem estilista, mudou-se, completamente sozinho, para Paris, inscrevendo-se no Lycée Montaigne com o objetivo de se formar em história e desenho. Foi nas ruas da capital francesa que encontrou a inspiração para começar a criar peças mais complexas e elegantes, dando o passo de participar no concurso Internacional Woolmark Prize, que acabaria por vencer na categoria de melhor casaco. Orgulhoso por esta conquista, Lagerfeld foi totalmente surpreendido por uma proposta de trabalho irrecusável: Pierre Balmain convidou-o para a sua equipa, na qualidade de seu assistente; uma proveitosa parceria que durou três anos, que marcou o início da sua carreira de sucesso.

Posteriormente, foram várias as portas que se lhe abriram, passando a colaborar com outras marcas conceituadas, como Jean Patou, Valentino ou Chloé, logrando alcançar, nesta fase, o sucesso a nível internacional. Consciente da competitividade do mercado e da importância, não só da imagem, mas igualmente do seu nome, o estilista optou por alterar o seu apelido de nascença, retirando-lhe a letra “t”, tornando-o, assim, e de acordo com o próprio, mais comercial e apelativo. A partir deste momento, adotou o estilo exclusivo que o iria definir ao longo da sua vida: o cabelo grisalho, apanhado em rabo de cavalo, trajando sempre uma camisa branca a condizer; luvas, fato e óculos pretos.

Em 1965, Lagerfeld assumiu o cargo de diretor criativo da Fendi, tornando-se na mente responsável pelo icónico logotipo da marca – o “FF” invertido –, que se tornou num símbolo reconhecido à escala global. Um dos maiores desafios da sua vida foi-lhe apresentado em 1983, quando a Chanel o desafiou a assumir o cargo de diretor criativo, numa altura em que poucos já acreditavam ser possível fazer renascer a casa francesa, considerada ultrapassada. O convite, perante o estado de coisas, à época, foi ainda mais aliciante (e irresistível) para Lagerfeld, que, graças à sua estratégia, conseguiu superar, gradualmente, o período de crise da maison criada por Coco Chanel. As suas coleções obtiveram enorme sucesso, permitindo o renascimento da Chanel, que passou a definir as tendências vindouras. O reconhecimento valeu-lhe mesmo a alcunha de kaiser da moda, a palavra alemã que significa imperador. Em 1984, o estilista viu nascer a sua marca homónima, ficando ligado a três grandes marcas (Karl Lagerfeld, Chanel e Fendi) até ao último dia da sua vida.

Ao longo da sua carreira, Lagerfeld assumiu algumas polémicas, sobretudo, devido à opção por contratar strippers e atrizes de filmes pornográficos como modelos para as suas coleções. O seu carácter multifacetado levou-o a abrir uma livraria em Paris, a 7L, e a realizar, em 2013, uma curta-metragem intitulada «Once Upon a Time…», que conta a história da primeira loja Chanel, em Deauville.

Optando sempre por trabalhar com o papel e a caneta, em detrimento das novas tecnologias, Karl Lagerfeld criou até ao dia da sua morte, no dia 19 de fevereiro de 2019. Aos 85 anos, o estilista alemão partiu, deixando-nos, para sempre, as suas peças e coleções inigualáveis. O seu legado, esse, ficou entregue, com naturalidade, nas mãos de Virginie Viard, seu braço direito durante mais de três décadas.

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin

/ Artigos Relacionados

Artigos Relacionados

/ Artigos Recentes

Artigos Recentes