A beleza e elegância do Turbilhão

O símbolo da exclusiva arte da alta relojoaria

Inventado em 1795 e patenteado em 1801 pelo relojoeiro francês Abraham Louis Breguet, o turbilhão é um mecanismo de relojoaria criado para compensar a influência da gravidade na precisão dos relógios mecânicos.

Naquela época o relógio de bolso era guardado no interior do bolso do colete dos senhores na posição vertical e quando um relógio permanece em repouso na mesma posição por um certo tempo, causa imprecisões devido à força da gravidade exercida sobre o relógio que acelera ou abranda o pêndulo e a roda de escape, em resultado das mudanças no seu centro de gravidade. Breguet sabia que a única forma de compensar esse erro associado ao movimento do relógio, e portanto, ao seu mecanismo regulador, era assegurar que o eixo do mecanismo fosse mantido na vertical e assim surgiu o turbilhão: uma espécie de “gaiola” que gira em torno de si mesma, uma vez por minuto. Este sistema compensava as imprecisões causadas pela gravidade, tornando o relógio muito preciso.

Porém, mais do que um mecanismo para melhorar a precisão, o turbilhão tornou-se uma obra-prima relojoeira extremamente apreciada e só ao alcance de alguns. Assim, apesar de atualmente os relógios serem usados no pulso, o turbilhão é incluído em alguns relógios modernos de grande qualidade como um elemento exclusivo e demonstração de virtuosismo técnico. O mecanismo é geralmente visível através de um mostrador que revela o seu funcionamento.

Fazendo-se valer de um precioso legado de tradição, rigor, dedicação e criatividade, o turbilhão é hoje sinónimo de luxo e está presente nas coleções da maior parte das grandes marcas que, a cada ano, tentam inovar e apresentar novos modelos, com novas funções. Fique com as propostas mais premium de relógios de luxo que incluem este singular mecanismo.

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin

/ Artigos Relacionados

Artigos Relacionados

/ Artigos Recentes

Artigos Recentes

The golden hour

Ouro, alto brilho, ouro velho, ouro mate… mas ouro! Dez boas razões para brilhar este